Atendimento

(11) 2372-6352

Retrospectiva da diversidade no Brasil em 2023

Retrospectiva da diversidade no Brasil em 2023

O ano de 2023 marcou um período significativo para a diversidade no Brasil, com avanços notáveis alcançados. Contudo, ainda há muitos desafios que demandam por atenção. 

Neste artigo, apresento uma retrospectiva abrangente sobre a diversidade no país, abordando conquistas, desafios e as perspectivas para um futuro mais inclusivo, com um olhar interseccional.

Avanços na representatividade

Um dos destaques positivos foi o avanço na representatividade em diferentes esferas da sociedade brasileira. O cenário político, por exemplo, viu um aumento significativo na presença de mulheres, pessoas negras, indígenas e pessoas membras da comunidade LGBTQIAPN+ em cargos de liderança, como exemplo, homens cisgêneros gays e mulheres cisgêneros lésbicas, promovendo uma tomada de decisão mais inclusiva.

No entanto, é necessário que, para além das pessoas cisgêneras dissidentes, que as políticas de inclusão possam contemplar as pessoas trans (binárias e não-binárias) e travestis, que demandam por oportunidades para ingresso, por exemplo, no mercado de trabalho e nas universidades, por meio de ações centradas no acesso e permanência. 

Nas empresas

O mundo corporativo também testemunhou mudanças notáveis. Há empresas que começaram a adotar políticas mais inclusivas, promovendo ambientes de trabalho que valorizam a diversidade. Neste sentido, programas de capacitação, mentorias e políticas de igualdade salarial ganharam destaque, demonstrando um comprometimento crescente com a equidade.

Nas universidades

No ambiente acadêmico, iniciativas para a inclusão de grupos minorizados começaram a ser desenvolvidas em diferentes Instituições de Ensino Superior no país, como exemplo, as ações da Universidade Federal de Lavras (UFLA) que se tornou a primeira universidade em Minas Gerais a aprovar cotas para o ingresso de pessoas trans e travestis no Ensino Superior. É preciso avançar para que outras instituições de Minas Gerais e de outros estados brasileiros possam aderir a essa iniciativa.

Crescimento sobre o debate racial

O debate sobre questões raciais atingiu uma nova intensidade em 2023, com a sociedade discutindo mais abertamente sobre o racismo estrutural e as disparidades existentes. 

No novo Governo Federal, foi instituído o Ministério da Igualdade Social, liderado pela Ministra Anielle Franco. 

Além disso, movimentos sociais e campanhas educativas ganharam espaço, contribuindo para uma maior conscientização e para o impulso de mudanças estruturais necessárias. É necessário avançar na pauta racial e disseminá-la, objetivando a conscientização da sociedade brasileira. 

Desafios persistentes

Apesar dos avanços, desafios persistentes continuam a desafiar a diversidade no Brasil. A discriminação de gênero, a transfobia, o racismo e a exclusão de comunidades indígenas, por exemplo, ainda são questões graves que demandam uma abordagem mais incisiva, entendo os atravessamentos interseccionais existentes. O acesso igualitário à educação e oportunidades econômicas também permanece como um desafio a ser enfrentado.

Desigualdades socioeconômicas

As desigualdades socioeconômicas continuam sendo um obstáculo significativo para a diversidade. Grupos minorizados muitas vezes enfrentam barreiras para o acesso a serviços básicos, oportunidades de emprego e uma representação adequada nas esferas de poder. A equidade econômica emerge como um fator crucial para a promoção de uma sociedade verdadeiramente diversa e inclusiva.

Perspectivas futuras

Olhando para o futuro, é imperativo construir sobre os avanços conquistados em 2023. A educação desempenhará um papel fundamental na promoção da diversidade, ensinando valores de tolerância, respeito e compreensão desde os primeiros anos. Além disso, políticas públicas que visam reduzir as disparidades socioeconômicas e garantir oportunidades mais justas são essenciais.

A retrospectiva da diversidade no Brasil em 2023 destaca um caminho de progresso, mas também revela os desafios persistentes que precisam ser enfrentados. Ao continuar promovendo a representatividade, combatendo preconceitos e investindo em políticas inclusivas, o Brasil pode pavimentar o caminho para uma sociedade mais justa e diversa. 

O papel ativo de todos os setores da sociedade, desde o governo até as empresas e os cidadãos individuais, será fundamental para criar uma nação verdadeiramente inclusiva e equitativa.


Fonte original do artigo

Compartilhe

Precisa organizar sua contabilidade?

Fale Conosco

Success
Formulário enviado com sucesso!
Campo obrigatório
Campo obrigatório
Campo obrigatório
  • Cálculo Trabalhista
  • Certificado Digital
  • Imposto de Renda (IRPF)
  • Folha Doméstica
  • BPO Financeiro
  • Legalização de Empresas
  • Assessoria Trabalhista
  • Departamento Fiscal
  • Departamento Contábil
  • Assessoria Contábil
  • Outros Assuntos
Campos Obrigatórios
Campo obrigatório