Atendimento

(11) 2372-6352

Letras de Risco de Seguro recebem regulamentação- Capitalist

Saiba como isso vai mudar sua vida

Instrumento destinado a ampliar as fontes de recursos para seguradoras e resseguradoras, as Letras de Risco de Seguro (LRS) ultrapassaram mais um obstáculo para serem disponibilizadas ao público. O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou, ontem, as atuações, requisitos, atribuições e responsabilidades dos agentes envolvidos nessas operações.

A resolução aprovada pelo CMN estabelece as instituições que podem atuar como agentes fiduciários (defensores dos direitos dos emitentes de títulos de dívida), com regras para a nomeação e remuneração desses agentes. Instituições vinculadas a sociedades seguradoras de propósito específico (SSPE) não estão autorizadas a emitir esses títulos.

De acordo com a norma, a SSPE deve fornecer ao agente fiduciário todas as informações necessárias. Esses agentes também devem observar as regulamentações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para oferecer e distribuir as LRS.

Embora as normas entrem em vigor apenas em 1º de março, ainda é necessário obter a aprovação do Conselho Nacional de Seguros Privados, o que deve ocorrer nos próximos dias.

Financiamento

Criadas pela Lei 14.430 de 2022, as LRS são inspiradas nas Insurance Linked Securities (ILS), títulos amplamente utilizados no exterior por seguradoras e resseguradoras (instituições que cobrem o risco das seguradoras) para captar recursos de investidores no mercado de capitais. Em 2023, as emissões de ILS atingiram US$ 16 bilhões, cerca de R$ 80 bilhões.

No mercado internacional, o ILS é principalmente utilizado para cobrir grandes riscos para as seguradoras, com baixa probabilidade de ocorrência. Emitida por uma SSPE, a LRS está vinculada a uma carteira de apólices de seguros e resseguros, transmitindo aos investidores o risco ou retorno proveniente das atividades de seguro ou resseguro.

Segundo o Ministério da Fazenda, as LRS ampliarão as fontes de recursos para seguradoras e resseguradoras brasileiras, contribuindo para o desenvolvimento desses mercados no país. Esse instrumento, destaca a pasta, auxilia no aumento da capacidade de cobertura do mercado segurador, através da pulverização dos riscos de seguro para o mercado de capitais.

Características e riscos

Do ponto de vista do investidor, a LRS é um título de renda fixa, com prazos diversos e rendimento vinculado a fatores de risco de seguro. O retorno tem como base parâmetros facilmente identificados, como enchentes, ventanias, granizo e catástrofes climáticas em uma região pré-definida.

Durante o prazo de vigência da LRS, se o fator de risco não ocorrer na escala predefinida, o investidor recebe de volta o capital investido, acrescido de um retorno para compensar o risco assumido e a remuneração dos investimentos da companhia SSPE.

No caso de um sinistro (desastre) ocorrer, o investidor não recebe esse retorno e pode perder parte do capital investido. Esse capital será utilizado pela SSPE para o pagamento das correspondentes indenizações devidas. Apesar do risco, o Ministério da Fazenda afirma que a LRS permite a diversificação para a carteira dos investidores, uma vez que o retorno da LRS não tem correlação com o retorno de outros investimentos financeiros no Brasil.

(Com Agência Brasil).

Fonte original do artigo

Compartilhe

Precisa organizar sua contabilidade?

Fale Conosco

Success
Formulário enviado com sucesso!
Campo obrigatório
Campo obrigatório
Campo obrigatório
  • Cálculo Trabalhista
  • Certificado Digital
  • Imposto de Renda (IRPF)
  • Folha Doméstica
  • BPO Financeiro
  • Legalização de Empresas
  • Assessoria Trabalhista
  • Departamento Fiscal
  • Departamento Contábil
  • Assessoria Contábil
  • Outros Assuntos
Campos Obrigatórios
Campo obrigatório